Blog

Como envelhecer bem: práticas que fazem a diferença

Reveja seus hábitos, pois promove grandes resultados.
Saiba que pequenas mudanças de hábitos promove grandes resultados.

Quando se trata de envelhecer bem, dois fatores devem ser considerados. O primeiro deles é a genética (sim, ela desempenha um importante papel). Já o segundo fator é algo que cabe a você determinar. Estamos falando do seu estilo de vida.

E nunca é cedo (ou tarde demais) para rever seus hábitos, fazendo de escolhas do dia a dia seus aliados na busca pelo envelhecimento saudável.

A boa notícia é que pequenas mudanças são capazes de promover grandes resultados — tanto a curto quanto a longo prazo.

Na verdade, envelhecer bem não tem segredo: tem prática.

No texto de hoje, você vai descobrir quais práticas são essas.

Confira!

1. Faça do protetor solar um companheiro fiel

Você já sabe que aplicar protetor solar reduz o risco de câncer de pele, correto? Mas também está ciente que o produto te ajuda a proteger sua pele do envelhecimento precoce?

Não vamos ignorar: cuidar da aparência é uma das preocupações de quem deseja envelhecer bem. Portanto, se você quer a melhor sugestão de produto para te apoiar nesse objetivo, não há nada tão efetivo quanto o protetor solar.

Use sempre, não apenas quando for à praia.

É um cuidado simples, acessível, mas de grande impacto.

Há dezenas de marcas e tipos de texturas disponíveis no mercado.

No caso de pessoas mais velhas, que costumam ter a pele mais seca, o ideal é procurar por fórmulas mais hidratantes.


Leia também: Etarismo: frases e exemplos do preconceito relacionado à idade.



2. Promova alguns ajustes na sua alimentação

Algumas pessoas conseguem, sem sofrimento, cortar determinados alimentos da dieta. E, quando o assunto é envelhecer bem, os cortes têm como foco os alimentos processados — com especial atenção àqueles com açúcar refinado (já que ele compromete a função celular).

Porém, também sabemos que abolir, totalmente, certos itens do cardápio pode ser um desafio.

Nossa sugestão? Procure reduzir a ingestão de produtos processados aos poucos. Substitua itens industrializados por alternativas mais saudáveis modificando, gradualmente, a composição de suas refeições. Assim, você vai acostumando seu paladar, sem mudanças radicais de um dia para outro.

Claro, essa dica é válida desde que você não tenha nenhum impedimento ou deva seguir outra orientação de seu médico.

3. Durma cedo

Dormir pouco (menos de 6 ou 7 horas por noite) causa uma série de prejuízos à saúde. A longo prazo, o fato de não darmos ao nosso corpo o descanso de que precisa, aumenta o risco de doenças cardiovasculares, derrames, insuficiência cardíaca, câncer e Alzheimer — dentre outros problemas.

Isso ocorre porque é durante o sono que nosso corpo se reequilibra. Há maior produção de hormônios, como serotonina e melatonina, enquanto os níveis de cortisol (hormônio associado ao estresse) são reduzidos.

Se você dorme pouco, acaba comprometendo todo o sistema endócrino, bem como o imunológico e o neurológico!

Então, quantas horas de sono são necessárias para garantir um repouso eficiente?

Em geral, os médicos recomendam entre 8 e 10 horas de sono. Mas o que você precisa observar é como se sente. Se você dorme 8 horas, por exemplo, e passa o dia se sentindo exausto, com problemas de atenção e mau humor, considere dormir mais cedo e descansar uma hora a mais. Encontre o ajuste perfeito para o seu organismo.


Leia também: Como proteger a memória do envelhecimento.


O protetor solar deve ser usada diariamente.
Use protetor solar para proteger sua pele do envelhecimento precoce.

4. Movimente-se!

Se você quer envelhecer bem, há um vilão que você precisa derrotar imediatamente: o sedentarismo.

Um estilo de vida sedentário contribui — e muito — para o maior risco de uma série de doenças crônicas.

Independente da sua idade, de suas preferências e do tempo que tem disponível, existem várias modalidades de exercícios físicos que você pode experimentar.

Converse com seu médico para saber qual atividade física é a mais indicada para você.

5. Mantenha contato com seus amigos

Somos seres sociais — e isso não muda com a idade.

Precisamos manter contato com nossos amigos e entes queridos para desfrutar de uma boa saúde mental. Somos mais felizes quando nos sentimos conectados (e isso transparece, inclusive, em nossa aparência).

Por outro lado, pessoas solitárias estão mais sujeitas à ansiedade, depressão e estresse. Em função da falta de contato humano, até nossa longevidade fica comprometida.

Sendo assim, em seu plano para envelhecer bem, inclua tempo de qualidade para encontros, conversas e momentos de lazer com as pessoas que você aprecia.

Faça novos amigos, também! Aumente seu círculo social participando de atividades de voluntariado ou desenvolva novos hobbies — conhecer pessoas com interesses afins aos seus é sempre uma oportunidade estimulante.

6. Fale com um médico especialista

Talvez você não saiba, mas o médico geriatra não atende, exclusivamente, pessoas da terceira idade. Você pode se consultar com esse tipo de profissional até mesmo antes dos 40 anos, se assim desejar.

Na realidade, um dos focos da medicina geriátrica é promover qualidade de vida em todo o processo de envelhecimento.

Logo, se você quer boas dicas para envelhecer bem — e contar com um médico que vai acompanhá-lo em diferentes fases da vida — considere marcar uma consulta com um geriatra. Quanto mais cedo você fizer essa opção, melhores são as condições de prevenir possíveis problemas e gerenciar situações de saúde que possam te preocupar.

Para saber mais sobre o assunto, confira o texto “Médico geriatra: perguntas frequentes sobre geriatria”, disponível aqui no blog.



Dra. Priscila Henriques Pisoli
Médica Geriatra | CRM 145368 | RQE 84315

Telefone: (11) 2368-0846
Celular e WhatsApp: (11) 97038-3560
Endereço: Rua Borges Lagoa, 1.070 Conj.53
Vila Clementino, São Paulo (SP).

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira também